O tempo

Para quem tem 10 anos de idade, um ano representa 10% da sua vida. Para quem tem 50 representa 2% , ou seja quanto mais rápido passa o tempo, mais rápido passa o tempo.
Contra o passar do tempo não há nada o que fazer. Disse Einstein que não, que o tempo é relativo, mas isso só é verdade a velocidades parecidas à da luz. O problema  de andar a velocidades parecidas à da luz é que em um piscar de olhos estaremos muito muito longe de tudo e de todos. Melhor ficar por aqui e assumir que quem ainda manda na mecânica do nosso dia a dia é Newton e não Einstein.
Não há como escapar do passar do tempo mas sim há como aproveitá-lo melhor.
Minha sugestão: Rodear-se de amigos, beber, comer e dar muitas gargalhadas.

Opinião

Os argumentos da ciência ou mesmo os argumentos do mercado não são suficientes para mudar a opinião da maioria. Na verdade as pessoas não mudam de opinião, elas morrem. As novas gerações crescem sob a luz de um novo conceito e o assimilam. Darwin não convenceu o mundo de que o homem vem dos macacos, Darwin somente convenceu meia dúzia de cientistas. Seus contemporâneos morreram convencidos de que sua teoria era uma bobagem.
Para nós, algumas gerações mais tarde, e à luz não só de sua teoria mas de um punhado de novas informações e descobertas, é muito mais fácil assimilar e aceitar sua teoria.
Tudo isso como introdução para a questão dos chips. Se a tão somente 15 anos disséssemos para a comunidade francesa produtora de vinhos quem em 2008 a França aceitaria os chips ninguém acreditaria e outros diriam que seria o fim dos tempos. Bem,  a França aceitou os chips. Algum problema? Nenhum. Eu prefiro aceitar os argumentos de mercado a morrer.
Em tempo: Ainda falta que isso seja dito nos rótulos.
Para saber mais sobre os chips, leia meu artigo “Chips e Sticks” no blog.
Clique aqui para acessar!