Vale a pena voltar da Europa carregado de vinhos?

Isso depende da sua disposição de andar pelo mundo – táxis, escadas, aeroportos e afins, carregando peso.

Por outro lado é bom ter em conta a vantagem financeira. No mercado brasileiro encontram-se excelentes vinhos e trazer uma caixa de seis vinhos da Europa para economizar R$ 50 por garrafa, significaria uma economia de R$ 300. Trezentos reais para ficar carregando peso, correr o risco de pagar excesso de peso, correr o risco de ver uma garrafa quebrada, correr o risco de descobrir que um dos vinhos está estragado, sem a possibilidade de trocar, ou até mesmo correr o risco de que a caixa desapareça no trajeto… Eu acho que não vale os R$300,00.

É uma questão pessoal, eu não o faria, por maior que fosse a economia e por especial que fosse o vinho, mas posso entender quem o faça, sempre e quando a economia supere um determinado valor, o da passagem, por exemplo.

Bem, para que a economia supere os R$ 2.000,00 numa caixa de seis, deverá ser de R$ 333,00 por garrafa. Estamos falando, então, de um vinho que custa outro tanto, pelo menos. A questão passa a ser outra. Vale a pena gastar esses valores numa garrafa de vinho? Se a resposta for sim, é porque você tem um excelente orçamento para vinhos e, portanto, um excelente orçamento de modo geral.

Voltamos ao princípio: é então, importante para você, essa economia? Agora, bem, há uma forma de carregar vinho onde o mesmo fica leve e pouco volumoso: na memória!

Zona de Conforto

Estar ou ficar na zona de conforto tem uma conotação negativa. Mas por quê? Nada mais lícito, compreensível ou mesmo e, em definitivo, humano, que querer estar lá, nessa zona. Mas onde há conforto não há progressão, e nesse momento chegamos a um paradoxo filosofal: conforto ou progressão?

Não sei, mas, sim, suspeito que a progressão alheia cause enorme conforto pessoal. Menos mal que o inventor do microchip não estava em sua zona de conforto.

Todos temos nossa zona de conforto, seja pessoal ou profissional. A zona de conforto de um artista é uma obra “que não ofende ninguém”, a de um vendedor é uma mesa de trabalho, a de um financeiro pode ser uma planilha de Excel, com todos os seus coloridos recursos, a do médico o pedido de exames, a de um produtor de vinhos é o vinho “fácil de beber” e a de um clube de vinhos é comprar vinhos do produtor citado.

Se sair da zona de conforto causa medo, ansiedade ou risco, para que sair, então? Da minha zona de conforto pessoal, minha cama, eu tenho enorme dificuldade de sair. Livro, sim, uma batalha intestina e ganho, sempre e quando seja sábado ou domingo. De segunda a sexta, eu não gosto de café morno nem de arte que não ofende ninguém e menos de vinho supostamente fácil de beber. Prefiro produtores de vinho que enfrentam seus medos pessoais, riscos comerciais e ansiedades generalizadas.

Vou com o risco do inaudito mesmo quando algumas seleções causem enorme estranheza no associado e eventualmente cancelamento massivo de associações.

Quanto mais fácil e comercialmente seguro seria selecionar um Cabernet Sauvignon chileno todo mês!

Mais proveito do nosso clube tiram os associados que pensam assim, tal como aquele que inventou o chip e se expõe com gosto, à experimentação, mesmo porque, e em meu entender, essa é a razão para se associar a um clube de vinhos, e a essa ânsia é ao que deve responder um clube de vinhos.

 

Quer conhecer a Sociedade da Mesa, clube de vinhos? Acesse nosso site e aproveite a oferta especial para leitores do blog!

Curso de vinho

Eu já vou implicando logo com o nome: curso de vinho. Se levarmos para outro objeto qualquer, fica mais fácil perceber o quão meio ridículo isso é: curso de carro, curso de tomates, curso de livro. Ora, não há tal coisa. Pode, sim, haver um curso de condução de carros ou de mecânica, ou de como plantar tomates, ou de como prepará-los, ou de encadernação ou de estilos de prosa. Não há tal curso de vinho.

Mas vira e mexe alguém me pede uma indicação de um curso de vinho. Nunca sei muito bem o que dizer. Existem vários no mercado, com características das mais distintas e, como é natural, existem os bons e os ruins. Alguns são profissionalizantes e, portanto, longos – de um ano por exemplo. Outros são mais curtos, mas são certificadores mais do que cursos, e outros… bem, outros não são nada.

Eu não vejo como falar sobre vinho num único encontro de quatro horas, por exemplo, e essa é mais ou menos a característica da demanda de curso que temos.

curso de vinhoQuatro horas talvez não seja suficiente para abordar com profundidade o tema da rolha. Mas por outro lado, e por respeito às vontades do associado, não posso ignorar essa demanda.

 

Eu vou pensar em alguma coisa, com certeza em algo divertido e prático, obviamente. Digo algo prático porque a teoria, aquela mais genérica, pode ser entendida lendo qualquer um dos livros disponíveis no mercado. Comece o livro na sexta e na segunda você acordará sabendo mais de vinho do que poderia imaginar. Nesse meio tempo, vou pensando num curso simpático, que ajude na compreensão daquilo que é mais importante, o sabor. Vamos beber vinho – atividade para a qual, no fundo no fundo, não é preciso saber nada para fazer.

 

Leia também a Revista Sociedade da Mesa!