Qualidades, defeitos, estragos e gostos

O conceito

Má qualidade: um carro de má qualidade é um carro com poucas prestações: pouco motor, alto consumo, desconfortável, inseguro, pequeno… Sai da fábrica tal como foi concebido ou desenhado. É ruim, seu padrão de qualidade é baixo, mas sai da fábrica tal como previsto. Quando um carro é de má qualidade, é de má qualidade o modelo e todas as unidades que serão fabricadas.

Defeito: um carro com defeito já é outra coisa. Independente da qualidade sai com algum problema de fábrica por alguma disfunção no processo. Uma determinada partida de uma peça se encontra com defeito que aparece após algum uso. Não era o esperado, não estava projetado assim. São nestes casos que acontecem os “Recalls”. Com defeito geralmente é um lote.

Estrago: um carro estragado é um terceiro problema. O carro estava bom, mas por alg
um problema de armazenamento, transporte ou uso, estragou. Ficou numa tremenda chuva de granizo o que estragou a pintura do teto, bateu, fundiu o motor por falta de óleo. Um carro estragado é uma unidade.

Não gosto: independentemente de estar estragado, com defeito, ou ter boa ou má qualidade você pode gostar ou não de um carro. Isso é uma questão particular e pode acontecer com qualquer carro.

 

No vinho

Conhecer vinho implica em identificar e classificar seus problemas. Um grande passo no conhecimento do vinho foi dado quando em lugar de dizer “este vinho está ruim” você consegue identificar se é de má qualidade, se tem defeito, se estragou ou se reconhece que o vinho não tem problema nenhum mas não gosta dele.

Longe de esgotar a questão vamos dar uma pincelada no “Vinho ruim”.

Má qualidade: definir o que é qualidade em um vinho é tema para livro e identificar qualidade num vinho é tema para outro livro. Confundir má qualidade com não gosto é facílimo e nem se quer por desaviso. Os conceitos se confundem mesmo.

No vinho, qualidade é a verdade e: “Verdade é o que a maioria diz que é verdade, ainda que através de um interlocutor, que deve ser avalizado pela maioria, ainda que através de um interlocutor”.

Há formas, portanto, de saber se um vinho é de qualidade:

  1. Consultando a maioria
  2. Consultando a um interlocutor avalizado pela maioria.

Defeito: os defeitos mais comuns são:

Devido à uva (fúngicos, microbianos, leveduras): Gostos iodados, Gostos fênicos, Gostos Alcanforados.

Devido à uva (vegetais): Gostos de caráter vegetal, Gostos de caráter herbáceo.

Contaminações: Gosto de asfalto (por asfaltamento em zonas perto do vinhedo), Gosto Hidrocarburetos (máquinas em vindimas), Gosto de creolina (usada para proteger o madeirame do vinhedo).

De origem fermentativo, compostos de enxofre: Gosto de ovo podre, Gosto de Couve, Gosto de alho.

Contaminação da bodega, bretanomices (brett): Gosto de rato.

Armazenamento em bodega/ origem: Gosto de amêndoa amarga (algum tipo de revestimento epóxi das cubas).

Estrago: rolha (rolha contaminada com tca). Aqui coloco o vinho rolha ou bouchoné como “estragado” pois afetará o vinho depois de completada a sua produção mas isto de fato nasce na bodega.

Gosto de luz (extrema exposição à exposição à luz, mal manuseio).

Oxidado (rolhas secas por mau manuseio podem permitir a entrada de ar na garrafa oxidando o vinho).

 

Quer conhecer a Sociedade da Mesa, clube de vinhos? Acesse nosso site e aproveite a oferta especial para leitores do blog!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *