Uva Syrah

Texto: Eduardo Giovannini

Uma das hipóteses mais difundidas e aceitas até recentemente sobre a origem desta uva indicavam a mesma como proveniente do Oriente Médio, mais especificamente da localidade de Shiraz, no Irã. A segunda hipótese sugeria sua origem em Siracusa, colônia grega localizada na Sicília. A partir destas localidades teria chegado há muitos séculos ao Vale do Ródano.

No entanto, recentes estudos analisando o DNA, indicam que as hipóteses anteriores se sustentavam apenas na similaridade do nome da uva com os possíveis lugares de origem. A ‘Syrah’ é uma uva autóctone do norte do Vale do Ródano ou de Dauphiné, surgida a partir de cruzamento natural (não feito pelo homem) entre ‘Mondeuse Blanche’ e ‘Dureza’ (tinta). Estas uvas que a originaram são variedades de pouca importância atualmente na França.

Cruzamentos naturais são raros, mas há pelo menos um outro exemplo de uva famosa que assim surgiu: ‘Cabernet Sauvignon’ (‘Cabernet Franc’ x ‘Sauvignon Blanc’).

A ‘Syrah’ é uma videira que emite ramos longos e frágeis devendo ser cuidadosamente amarrada ao sistema de condução, caso contrário, seus brotos quebram se houver ventos fortes. Na maior parte dos lugares onde é cultivada pode ser podada curta (o que facilita o manejo e regula a produtividade).

Não apresenta maiores sensibilidades ás moléstias fúngicas da videira do que as demais cultivares, sendo um pouco mais sensível à podridão cinzenta nas safras chuvosas.

 

Sua uva amadurece rapvideiraidamente, sendo o período de vindima muito breve. Em poucos dias, e se o tempo estiver bom, os aromas evoluem na seguinte ordem herbáceos-framboesa-ameixa-pimenta preta-amora-azeitona preta-geléia. Os cachos e as bagas são de pequenos a médios, permitindo se obter vinhos aptos ao envelhecimento e de grande qualidade. São vinhos de cor intensa, muito aromáticos, finos, complexos (violeta, couro e azeitona), tânicos e relativamente pouco ácidos (pH alto, especialmente quando plantada em solos xistosos). Desta uva também se elaboram rosados muito frutados e interessantes.

É cultivada em vários países além de sua terra natal, sendo na Austrália onde mais se destaca, tanto por ser a uva que tem a maior área plantada, como por ser a que origina seus melhores vinhos. Na Califórnia ressurgiu há poucos anos substituindo a ‘Petite Syrah’ (que não é a mesma ‘Syrah’ mas sim é a variedade ‘Durif’, uva de pouca qualidade). No Chile e na Argentina se obtêm os melhores vinhos nos mesoclimas mais frios, dentro das regiões geralmente quentes. Também é plantada no Brasil, no Vale do São Francisco, na Serra Gaúcha e na Campanha Gaúcha.

É, sem dúvida, uma das grandes uvas para se fazer vinhos finos tintos no mundo.

 

Leia também a Revista Sociedade da Mesa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *