Pedro Ximenez

O xerez é um grande desconhecido no Brasil, e tão desconhecido que o verbete “xerez” está equivocado em todos os nossos dicionários da língua portuguesa. Xerez: casta ou tipo de uva, dizem. Não há nenhuma uva que se chame xerez. Os vinhos conhecidos como xerez são feitos ou da uva palomino ou da Pedro Ximenez.

Xerez é uma família de vinhos cujo nome vem de sua região de origem – Jerez da La Frontera. Os vinhos daquela região são basicamente o fino, o amontillado, o oloroso e o Pedro Ximenez. O fino é possivelmente o mais conhecido de todos nós, pois a marca Tio Pepe difundiu-o mundialmente. Isso, o Tio Pepe é um xerez tipo “fino”, bem seco, mas teremos tempo por aqui para abordar com mais profundidade os xerezes, mesmo porque a maioria deles faz muito boa combinação com charutos. O que quero agora é falar do Pedro Ximenez, meu vinho doce favorito e grande companheiro dos charutos.

pedro ximenez

Diz a lenda que a uva Pedro Ximenez é originária das Ilhas Canárias, Espanha, de onde viajou para o Reno, Alemanha, e que voltou para a Espanha pelas mãos de um soldado alemão de Carlos V, lá pelo século XVI, chamado Peter Siemens, de onde viria o nome. Não sabemos se isso é verdade, mas é, sim, bem provável que a Pedro Ximenez tenha vindo do Reno e talvez até pertença à família das riesling.

O fato real e conhecido é que hoje ninguém duvida de que seja uma uva espanhola, uma uva do Sul da Espanha com a qual fazem esse néctar que chamam de Pedro Ximenez. Lá, uma vez colhida, essa uva é exposta ao sol, em processo que chamam de “asoleo”, para que se desidrate e concentre açúcares. Já vinificado, vai para guarda em barris pelo método de “soleras y criaderas”, quatro filas de barris uns sobre outros. Ano após ano, o vinho vai passando para os barris que estão mais abaixo. Do barril que está no solo (o “solera”), sai o vinho que será engarrafado; no barril que está em cima de todos, entra o vinho do ano. Alquimia andaluza.

O Pedro Ximenez é um vinho dos mais complexos que existe em sabores e aromas. Jamais fica pequeno com charuto nenhum, mas, por ser muito doce, vai melhor com charutos rápidos. No entanto, cá entre nós, eu não me importo de bebericar o PX pelas duas horas que pode durar um Doble Corona.

 

Experimente nossas seleções e viva a melhor e mais abrangente experiência enológica. Associe-se!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *